4 de novembro de 2014

Ano sabático: uma pausa estratégica para sua carreira

Por Claudio de Lima Barbosa[

Durante as Guerras Médicas em 490 a.C, os persas ameaçavam invadir Atenas, violar as mulheres e matar seus filhos. Diante desse clima tenso, o exército ateniense se levantou para protegê-la e marcharam para a batalha na Planície de Marathónas. Com o risco de perder a batalha por estar em menor número, os atenienses combinaram com as mulheres que se em 24 horas não tivessem nenhuma notícia elas deveriam matar os seus próprios filhos e cometer suicídio.

Após um demorado conflito, os atenienses triunfaram. Contudo havia pouco tempo para avisar as mulheres sobre o fato. Então o comandante Milciades enviou Pheidippides (ou Fidipedes), o seu melhor corredor, para percorrer os 40 Km do vale de Marathónas até Atenas. Finalmente, quando chegou à capital grega extremamente exausto, lhe restou a última palavra antes de cair morto: vencemos!

Muitas vezes nossa vida profissional é como uma maratona. Nunca paramos. Talvez apenas reduzimos um pouco a velocidade para recuperar o fôlego. Possivelmente o único fragmento que nos resta sobre a idéia de parar, talvez seja a aposentadoria, mas esta pode ser muito tardia para mudanças significativas e não traz as garantias de que naquele momento a palavra que trará em sua boca será a mesma proferida por Pheidippides.

Tente pensar em uma pausa estratégica no trabalho. Um período que dure o suficiente para associar reflexão de vida, de carreira, aprimoramento de habilidades e descobrimento de novos talentos. O que dizer de um ano sabático?

  Considerações sobre o ano sabático

O ano sabático remonta a tradição judaica. O termo vem da palavra hebraica, shabat, tem relação com o verbo, shavat, que significa “cessar”, “parar”. A apropriação do termo fora do universo religioso se deu pela primeira vez no século XIX dentro das universidades americanas que concediam essa licença para seus professores se reciclarem. Na década de 50 a idéia chegou às empresas com viés motivacional.

Em média, o ano sabático dura 6 meses mas pode durar de 1 até 2 anos. Ao contrário do que se possa supor, esse período não corresponde a uma fase infrutífera, e sim um período onde o profissional escolhe se afastar de suas atividades laborais – em comum acordo ou não com seu empregador – para focar em um ou mais projetos em particular, seja para estudar um idioma no país nativo, participar de serviços voluntários, estudar, aprender outras coisas, seja para refletir sobre suas preferências e potencialidades e (re)desenhar os rumos da sua carreira.

O ano sabático vem sendo empregado por muitas empresas norte-americanas do porte da Boston Consulting Group, eBay e Blue Cross Blue Shield que oferecem licenças sabáticas remuneradas ou não para seus funcionários. Essa prática é vista como poderosas ferramentas de atração e retenção de talentos valiosos, melhoria da produtividade e fortalecimento do banco de sucessão.

Da lexis para a praxix

Entre a idéia de experimentar o ano sabático e a sua realização, deve-se superar enormes obstáculos mentais como o medo e a angústia sobre o futuro. Essas barreiras se tornam ainda mais acentuadas para a realidade brasileira, a qual não tem a cultura do ano sabático. De qualquer forma, para que o ano sabático se torne uma realidade, é importante fazer um bom plano e um bom alinhamento com as pessoas da sua parte profissional, pessoal e familiar considerando, é claro, os graus de dificuldades para cada perfil de pessoa.

Como primeiro passo, é importante descobrir se a empresa onde atua pode conceder uma licença (remunerada ou não). Caso positivo, talvez possa ser uma boa oportunidade de fazer os alinhamentos dessa licença atrelado a um projeto real, com resultados esperados bem claros e que possam trazer ganhos também para a companhia. Para aqueles que vão viajar para o exterior é importante se preparar financeiramente: economizar o quanto puder; caso more só e tenha imóvel, uma boa alternativa é alugar durante o período que estiver fora. Se tiver carro, considere também a hipótese de vendê-lo.O segundo ponto desse plano deve ser a data de partida. Comprar as passagens já é se comprometer com o projeto.

O terceiro tópico relevante é falar sobre seu ano sabático com algumas poucas pessoas em que você confia, assim elas poderão te ajudar no seu plano e opinar sobre sua decisão ampliando sua visão sobre diversos aspectos e poderá até mesmo afastar os medos e angústias comuns nessa situação. O quarto ponto é manter contato com sua rede de amigos e sua rede profissional é crucial para o retorno a vida normal. Afinal o período sabático, como todo projeto, deve ter início, meio e fim e para que ele seja um sucesso é importante manter ativos todos os fios de conexão da sua vida.

O mais importante é responder a pergunta: Por que quero um período sabático? Talvez as palavras de Henrique Pistilli – Protagonista da série de TV Homem Peixe – ajudem: “Quando estamos ouvindo o inconsciente, nossas vísceras, nosso querer, conseguimos perceber a fala do coração”. Sendo assim, para aquele que de alguma forma sente que precisa sair um pouco dessa maratona para enxergar melhor a si e ao mundo, talvez possa se considerar a possibilidade de um ano sabático para transformar, quem sabe, 40 km em corrida de 100m rasos.

Claudio de Lima Barbosa é Administrador de empresas, conferencista e consultor empresarial, especializado em Engenharia Econômica e Negócios e Engenharia de Produção E-mail: adm_clb@hotmail.com Por Claudio de Lima Barbosa Ano sabático: uma pausa estratégica para a sua carreira

*Publicado na Edição 54 da Revista PIM