17 de maio de 2018

CNI: Investir em gestão da saúde e segurança no trabalho é a melhor opção

Para uma indústria, investir e implantar um comportamento preventivo no que diz respeito à saúde e segurança do trabalhador não é uma tarefa fácil. Além de ações para promover a seguridade no ambiente laboral, não se pode perder a agilidade dos processos e produtividade. Neste sentido, métodos bem delineados de gestão para estruturar adequadamente boas práticas e acompanhar o desempenho relacionado aos indicadores de segurança e saúde são essenciais para a conquista de resultados em qualquer empresa.

 

Desenvolver sistemas e processos de gestão é o papel do Centro de Inovação SESI – Sistemas de Gestão em Saúde e Segurança no Trabalho, localizado em Campo Grande (MS), e que será inaugurado pelo presidente da Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul (FIEMS), Sérgio Longen, para atender à indústria de todo o país. O evento integra a programação de “Maio – Mês da Indústria”, que conta com o patrocínio do Sebrae/MS.

 

A gestão correta de SST reduz acidentes, aumenta a produtividade dos trabalhadores, reflete na redução de custos, e permite ao empresário conhecer melhor riscos, áreas críticas e processos que necessitam de mais atenção.

 

“Preocupando-se com a saúde do trabalhador, o empregador reduz custos diretos e indiretos, e pode evitar custos referentes a penalidades ambientais e trabalhistas. A gestão correta da saúde é fundamental dentro de uma empresa, porque as doenças ocupacionais e absenteísmo representam um alto custo”, afirma a diretora de SST do Sesi de Mato Grosso do Sul, a médica do trabalho Adriana Rossignoli Sato.

 

DADOS – O último estudo divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) demonstra números alarmantes ligados a doenças ocupacionais nas indústrias. Os custos com saúde do trabalhador aumentaram quatro vezes nos últimos dez anos – 60% deste custo foi pago pelo setor privado – e, atualmente, o plano de saúde consome 12% da folha de pagamento das empresas.