29 de junho de 2015

Dona de casa cria uma empresa milionária de bolsas

Julie Deane conta que a ideia de criar a empresa surgiu depois de um impasse: sua filha de oito anos, Emily, estava sofrendo bullying na escola, como não conseguiu transferi-la, junto com o irmão, Max, para outro colégio público, teve que pensar em uma alternativa para matriculá-los em uma escola particular.

 

O custo de vida na Grã-Bretanha é muito alto, a mensalidade escolas particulares lá equivalem a R$ 5 mil reais, por esse motivo, 93% da população britânica teve educação estatal. Mãe em tempo integral, Julie pesquisou possível, mas seu ‘insight’ veio através dos livros do Harry Potter. Ela lia as aventuras para os filhos e queria comprar para eles as pastas de couro que Harry e seus amigos usavam na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. Mas nunca as encontrou à venda. Ou alguém que as fabricasse. Foi daí que Julie resolveu abrir a Cambridge Satchel Company em 2008. A partir da mesa de sua cozinha e com o equivalente a R$ 2.500 em dinheiro. Hoje, a empresa vende as bolsas e afins em mais de 100 países. A Cambridge Satchel Company tem faturamento anual de mais de R$ 60 milhões. Tão interessante quanto o sucesso da empresa, no entanto, é o estilo de empreendedorismo de Julie. Enquanto pesquisava um fabricante para terceirizar a produção das pastas, por exemplo, ela usou uma tática comum em crianças mais insistentes para vencer a resistência de uma empresa rival em compartilhar informações. “Queria saber o nome de um fabricante, mas ela (a empresa rival), recusava-se a me passar. Comecei a telefonar a cada 35 minutos, levando o diretor à loucura. Deu certo, e consegui nome”. Julie procurou entrar em contato com jornalistas e blogueiros de moda, com a finalidade de promover os produtos. Não demorou muito para que os pedidos começarem a se multiplicar, o que gerou desafios para a microempresa.

Investimentos

“Em menos de um ano, minha casa estava abarrotada de caixas. E havia centenas de pedidos em nosso site”, lembra Julie. A dificuldade em atender aos pedidos foi contornada com e-mails pedindo paciência. Um problema maior surgiu em 2012, quando a Cambridge Satchel Company teve de entrar na justiça contra uma empresa que copiou o design de seus produtos. Desde 2011, a empresa tem uma fábrica na cidade de Wigston, na região central da Inglaterra. Sua linha de produtos inclui mochilas e capas de telefone celular. Os preços podem chegar a até R$ 1.300. A empresa tem escritórios na cidade universitária de Cambridge e emprega 100 pessoas. E, desde 2013, têm lojas em locais que incluem a requintada região de Covent Garden, em Londres.

Seus produtos são vendidos por lojas de departamentos ao redor do mundo. Até o ano passado, os lucros da empresa vinha somente do que Julie obtinha com as vendas, mas, desde então, a Cambridge Satchel Company recebeu cerca de R$ 70 milhões do um fundo de investimentos Index Ventures, para financiar sua expansão internacional. “Tem sido uma viagem inacreditável”, declara Julie.

Fonte: http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/06/150610_potter_bolsa_fd