16 de abril de 2015

Empresas no exterior optam por ‘aposentar’ o e-mail

Em 2001, a consultoria irlandesa Clare Burge voltou de umas férias de 10 dias e encontrou 10 mil novos e-mais na sua caixa de entrada.

 

A princípio pode parecer uma atitude um tanto quanto radical deixar de utilizar o e-mail no dia-a-dia, mas Burge decidiu aposentar o correio eletrônico por um ano inteiro, e por incrível que pareça o resultado foi positivo. A irlandesa acionou uma resposta automática em suas contas de casa e do trabalho, pedindo que as pessoas ligassem se precisassem falar com ela. “O e-mail é uma ferramenta muito egoísta” define Burge, que hoje dirige a consultoria Get Organised, em Dublin. “As pessoas despejam tarefas na caixa de entrada nas outras sem nem pensar se estão incomodando”. O resultado: “Você se torna um escravo do Inbox, checando seus e-mails da hora que acorda ao momento de se deixar.”

Muitos trabalhadores entendem o descontentamento de Burge, devido ao fluxo constante de mensagens chegando a qualquer horário do dia ou da noite. A utilização exagerada do e-mail também pode ter um impacto direto no resultado financeiro na empresa, já que distrai os colaboradores de tarefas importantes com um volume desnecessário de recados.

Aumento da Produtividade

Uma pesquisa estima que, em média, uma pessoa leva 64 segundos para retomar o que estava fazendo após ler uma mensagem nova. Outros estudos mostraram que isso pode levar a um total perdido de várias horas por dia. Por se tratar de um atraso na eficiência do escritório e no bem-estar do funcionário, o e-mail agora entrou na mira de corporações ao redor do mundo. No mesmo ano em que Burge abriu mão da ferramenta, Thierry Breton, diretor-executivo da empresa francesa de tecnologia Atos, anunciou a seus 80 mil funcionários que eles estavam proibidos de usar o correio eletrônico interno.

Desde então, esse tipo de proibição tem se tornado uma maneira cada vez mais popular para as empresas ajudarem seus funcionários a manter um equilíbrio saudável entre o trabalho e a vida doméstica, e aumentar sua produtividade.

Fonte: http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2015/04/150408_vert_cap_fim_email_ml