24 de janeiro de 2015

“Será um ano de ajustes necessários”, aponta Jaime Benchimol

Por Margarida Galvão 

Defensor da diversificação do modelo Zona Franca de Manaus (ZFM) com a adição de indústrias de serviços como o turismo e os call-centers, que geram mais de 1,5 milhão de empregos diretos no País, o presidente da rede de lojas Bemol e da Fogás, empresário Jaime Benchimol, também diretor da Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus (CDL-Manaus), disse que somente com a diversificação da sua base econômica o Amazonas vai se livrar da incômoda posição de ‘dependente da União’, de seus subsídios e isenções. Com isso, o dirigente aposta que o comércio tradicional de Manaus, que já é desenvolvido e diversificado, irá incrementar ainda mais. Nesta entrevista concedida à Revista PIM, Benchimol fala também sobre o panorama econômico brasileiro e projeções para 2015, bem como da evolução dos shoppings centers na capital amazonense.

PIM Amazônia– Qual sua avaliação sobre o atual panorama econômico brasileiro e quais as projeções para 2015?
Jaime Benchimol – Será um ano de ajustes necessários tanto na área monetária quanto fiscal. Os juros altos serão usados para combater a inflação e os governos precisarão fazer cortes nos orçamentos para equilibrar suas contas. Será difícil manter os níveis recordes atuais de emprego e de consumo.

 

PA – Como dirigente do Grupo Bemol, um dos mais tradicionais de Manaus e que se mantém atuante nos dias atuais, qual a receita para uma empresa se manter crescendo, mesmo diante do sobe e desce da economia brasileira e da concorrência desenfreada com outras empresas de departamentos?

Benchimol – Buscamos manter uma relação de confiança com os nossos fornecedores, funcionários e clientes, tratando-os com carinho, justiça e generosidade. Ao final de várias décadas desse esforço, os resultados apareceram.

 

Para ler a entrevista completa garanta a edição 58 da Revista PIM Amazônia ou faça sua assinatura.