19 de dezembro de 2014

Holanda avança 735% nos investimentos

 

Por Jhemisson Marinho

Poucos países ampliaram tão significativamente os investimentos no Polo Industrial de Manaus (PIM) nos últimos cinco anos quanto a Holanda. Conhecidos no mundo inteiro pela forte indústria naval, os holandeses decidiram apostar forte na indústria amazonense por meio dos segmentos químico e eletroeletrônico.  

E o motivo para o foco nestes segmentos é evidente, conforme explica o consultor econômico Ailson Nogueira. “São segmentos expressivos no faturamento do PIM, com potencial para criar os chamados efeitos germinativos de ligação para frente e para trás”, afirmou o especialista.

Em termos mais simples, o efeito de ligação para trás, ou backward linkage effects, como são conhecidos, em inglês, estão relacionados à compra de insumos de outras atividades, enquanto os efeitos de ligação para frente (ou forward linkage effects) estão ligados ao fornecimento de insumos para outros setores. Dessa forma, a implantação de uma indústria pode induzir o surgimento de outras.

Entre 2009 e 2013, as companhias holandesas ampliaram seus investimentos anuais em mais de oito vezes, passando de pouco mais de US$ 24 milhões para US$ 204 milhões. Em termos percentuais, este avanço foi de incríveis 735%, conforme dados da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa).

Dos 20 maiores investidores estrangeiros na capital amazonense, a Holanda só cresceu menos que a Áustria, que passou de US$ 2.1 milhões para US$ 279 milhões no mesmo período. É importante lembrar que os dados holandeses, pela Suframa, são considerados à parte dos Países Baixos, que são o terceiro maior investidor da indústria manauara, atrás de Japão e Estados Unidos, apenas.