20 de maio de 2015

Não é fácil presidir uma grande empresa

Presidente da Whirlpool diz que em um mês tributação sobre exportação aumentou 3%.

 

O presidente da Whirlpool da América Latina, João Carlos Braga, que inclui a produção de eletrodosmésticos das marcas Bratemp e Consul, e a Embraco, fabricante de compressores, afirmou que o governo precisa dar uma perspectiva do que se pretende para o Brasil. Em sua avaliação, por enquanto o ajuste fiscal se traduziu em aumento de carga tributária. Um exemplo do crescimento da carga tributária é a redução, de dezembro para janeiro, do imposto devolvido aos exportadores, o Reintegra, em tês pontos porcentuais, o que prejudica as exportações.

Outra dificuldade apontada pelo executivo foi a elevação do PIS sobre operações financeiras. Como o hedge que as empresas fazem para se proteger da variação cambial é considerado uma receita financeira, isso sobrecarregou ainda mais o processo das exportações. A Embraco, que no passado chegou a exportar 60% da produção sete anos atrás, hoje exporta cerca de 30%. “Tem de se ser um herói para gerir empresa aqui”, disse ao Estado. Confira abaixo os principais trechos da entrevista com o presidente da Whirpool:

Por que a Whirpool reduziu em 3 mil o número de trabalhadores nos últimos 12 meses? Esse corte vai continuar?

Tínhamos no Brasil 21 mil funcionários. Como desde o ano passado não estávamos otimistas com 2015, decidimos congelar a reposição dos funcionários que deixaram a empresa. Com isso reduzimos os quadros em 3 mil funcionários nas três fábricas entre o primeiro trimestre do ano passado e o primeiro trismetre do ano. Neste momento a fábrica de Manaus está em férias coletivas por conta da sazonalidade na produção de ar condicionado.

Além de Manaus há outra planta que está em férias coletivas ou irá entrar em breve?

Não. De maneira preventiva demos férias coletivas em fevereiro (8 mil funcionários) porque antevimos que o mercado seria difícil. O que pode acontecer daqui para frente é uma parada em alguma linha para manutenção. Mas no sentido de férias coletivas não tem nada no horizonte.

Como foi o primeiro trimestre?

No primeiro trimestre o mercado caiu 15% e nós caímos um pouco mais.

Quais são as expectativas para os próximos meses?

Esperamos que o segundo semestre seja melhor do que o primeiro, mas pior que o segundo semtestre de 2014.

A queda de vendas afetou o resultado da empresa no exterio?

Sim. O Brasil é o segundo maior mercado da Whirlpool, atrás somente dos EUA.

A direção da empresa não fica com receio em investir?

A Whirlpool é uma empresa com mais de 100 anos e no Brasil está há mais de 60 anos. Não é a primeira crise que a nossa empresa enfrenta no Brasil. Estamos torcendo para sair o quanto antes dessa situação.

Além de enxugar o quadro funcional, como vocês pretendem rebater a crise?

Pretendemos continuar investindo em tecnologia. Não esquecemos que antes da crise tem a competição pelo bolso do consumidor. A gente concorre com a mensalidade do celular, da escola, Tv a cabo, do carro, entre outros.

Fonte: http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,tem-de-ser-heroi-para-gerir-empresa-aqui,1688635