19 de julho de 2016

Recuperação só deve vir em 2019

IndústriaEstimativa do polo metalúrgico da Zona Franca de Manaus é que o segmento só deve retomar o nível de produção pré-crise dentro de três anos

A crise dos dois últimos anos derrubou o desempenho da indústria brasileira em geral e do Polo Industrial de Manaus (PIM) em particular. Em face da insegurança econômica e da turbulência política, as expectativas vêm se deteriorando na mesma velocidade nesse intervalo. No caso do polo metalúrgico, os números mais recentes conseguiram ficar abaixo até mesmo das projeções mais pessimistas. A expectativa é que a recuperação das perdas acumuladas no último biênio só deve vir em um prazo de três anos.

A Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) lista 49 Cadastros Nacionais de Pessoa Jurídica (CNPJs) atuando no segmento metalúrgico do PIM, com produtos diversos e díspares. A maioria pertence ao braço componentista regional e integra o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Manaus (SIMMMEM), entidade que tem em seu portfolio de sócios aproximadamente 160 empresas, incluindo fábricas de descartáveis, condicionadores de ar e do polo de duas rodas. As dificuldades, contudo, são de domínio geral.

 

Para ver a matéria completa garanta esta edição da Revista PIM Amazônia, ou faça sua assinatura.