15 de dezembro de 2014

Ser um bom liderado é pré-requisito para assumir o papel de líder

No mundo do trabalho se percebe uma ênfase maior em formar líderes enquanto há pouco ou nenhum esforço para capacitar os profissionais para ser um bom liderado. Talvez isso aconteça basicamente por dois fatores: 1) a associação da figura do liderado com alguém que se submete às ordens e desmandos e 2) a crença de que crescimento vertical na profissão é a única forma de sucesso.

O bom liderado, no entanto, é aquele que conhece claramente as entregas que precisam ser feitas seguindo as orientações e operando como colaborador disciplinado. Nem sempre um bom liderado será um bom líder, contudo, um bom líder sabe como ser um bom liderado.

O fato de alguém se tornar líder não quer dizer que deixará de ser liderado. Isso ocorre porque as estruturas empresarias estão cada vez mais matriciais de modo que há reportes diretos e indiretos. Em outras palavras se a liderança se envolve num projeto novo, ela poderá se reportar indiretamente ao gerente desse projeto sem se esquecer de reportar diretamente ao seu superior as entregas relativas à natureza de seu cargo.

Outro ponto relevante a se falar é que nem todos assumirão a posição de líder. Há aqueles que são conscientes desse fato porque sabem que não têm perfil para comandar uma equipe, há outros, no entanto, que têm mais ambição do que talento para assumir essa missão e há aqueles que de fato têm potencial e perfil para o papel de liderança. De qualquer forma nos três casos os profissionais precisarão aprender a desempenhar o papel de liderado.

Pequenas dicas

Mediante o comprometimento de seus liderados e esse comprometimento passa também pela disposição dos funcionários em realmente colaborar com quem está a frente da equipe. Em outras palavras, para aqueles que desejam assumir o posto de capitão, é preciso primeiro ser um bom soldado. Então, quais pré-requisitos são relevantes para ser um bom liderado? Abaixo destaco alguns fatores que ajudarão a responder a essa pergunta:

1-Capacidade de adiar recompensas – Uma das virtudes esquecidas hoje, principalmente pela Geração Y, é a paciência. Não queira que seu sucesso de carreira ocorra em 6 ou 12 meses. Importante administrar a ansiedade, ganhar experiência, aprender com os que têm mais senioridade, pedir feedback e conselhos da liderança para se aprimorar. Ter um plano com prazos coerente para chegar lá também faz todo o sentido. 

2-Faça as coisas com excelência – Uma vez aprendi que devemos fazer as coisas como se estivéssemos fazendo para Deus, ou seja, com esmero. Certifique-se de que as informações estão certas, antes de enviá-las. Torne seu trabalho à prova de erros. Mostre para seu líder que o nível de confiabilidade e qualidade do seu trabalho é altíssimo. Faça seu trabalho com boa vontade e torne isso uma marca pessoal. 

3-Cuide da sua imagem e reputação – Alinhado com o tópico anterior, o bom trabalho gera reputação. Contudo não queira apenas ter a reputação de ser bom tecnicamente, mas também de ser um bom sujeito. Em outras palavras, fuja dos grupos de fofocas de corredor ou da prática comum de falar mal do chefe. Seja atento aos prazos, tenha bom senso e ética. Aproveite também para observar bem seus colegas, veja como eles fazem as malandragens, como fogem das responsabilidades. No futuro, se você for líder, saberá como funciona a parte escura da equipe para, então, clareá-la 

4-Faça parte da solução e não do problema – Colabore com suas opiniões e ideias, tente resolver as coisas entre seus pares e seus colegas. Só acione o seu líder se você já tiver tentado fazer tudo ao seu alcance. 5-Tenha humildade para ouvir, para escutar um feedback, para aprender. Lembre-se que humildade não é submissão, é caráter de sabedoria.

6-Exercite a resiliência – desenvolva a capacidade de vencer dificuldades, de superar os obstáculos por mais terríveis que sejam. Entenda que a crise também é uma oportunidade de descobrir suas próprias fortalezas as quais podem ser encontradas na religião, no apoio de amigos, no exercício de sua autoconfiança, na concentração de pensamento positivo etc. Essa é uma qualidade que o profissional precisa exercitar sempre, independente da posição na qual está. Como podemos perceber, o bom liderado sabe da sua importância e por isso está sempre na busca da excelência de suas entregas alinhadas com o direcionamento do comando da equipe. Para reforçar essa idéia é importante também dá ênfase na formação de liderados tanto quanto se faz com a liderança, assim todos terão consciência de que ser liderado é está num papel situacional, pois mesmo aqueles que assumem um papel de liderança formal, também continuam se reportando a outro superior ou mesmo a outros líderes matriciais. Profissional é profissional independente do papel que desempenha. Então faça o seu melhor. 

Claudio de Lima Barbosa é Administrador de empresas, conferencista e consultor empresarial, especializado em Engenharia Econômica e Negócios e Engenharia de Produção

*Publicado na Edição 55 da Revista PIM