1 de junho de 2015

Suframa: Técnico ou Político

Por José Ricardo Wendling

A Suframa deve ser administrada por um político ou por um técnico? O que poderia efetivamente contribuir para a Suframa novamente ser o principal órgão de desenvolvimento da Amazônia. Uma gestão técnica, defendida por setores empresariais poderia mudar o atual quadro de dificuldades que a Suframa e o modelo Zona Franca de Manaus enfrentam ou seria importante um político, com ou sem mandato que poderia levar adiante os enormes desafios que o momento atual impõe?

A Suframa já foi administrada por técnicos e por políticos ao longo de sua história de 48 anos. O cargo de Superintendente é um cargo de confiança do Ministério do Desenvolvimento e Comércio Exterior (MDIC) e de livre nomeação da Presidente da República. Neste aspecto, é um cargo político, não necessariamente ocupado por um político. Mesmo que um técnico de carreira da administração pública federal ou de outra instância, ou mesmo um técnico da iniciativa privada, ou um político com mandato ou sem mandato ocupar o cargo, o mesmo continuará a ser um cargo político.

Alguns, inclusive, defendem que o superintendente da Suframa precisaria ser uma pessoa do Estado, da região, que teoricamente conhece melhor a nossa realidade. Na minha visão estas não são as questões mais relevantes. Vejo que importante é o superintendente e sua equipe ter compromisso com um modelo de desenvolvimento que tire o Amazonas e a Amazônia do marasmo econômico e da dependência em relação aos incentivos fiscais e pouco agregador de novas tecnologias.

Precisamos de ousadia. Fortalecimento político da Suframa como uma autarquia que tenha importância no cenário político. O superintendente dever ser aquele que vai falar com ministros, com as universidades, com as instituições de pesquisa, vai propor, definir políticas de desenvolvimento que vai além do Estado do Amazonas, vai dialogar com o Acre, com Rondônia, com Roraima, com Amapá. Pensar o futuro, os investimentos necessários na infraestrutura, na logística, na tecnologia.

Para ver a matéria completa garanta esta edição da Revista PIM Amazônia, ou Faça sua assinatura.