25 de março de 2015

Um passeio pela eterna Paris dos Trópicos

Por Camila Carvalho

A exuberância da floresta que encanta e atrai milhares de turistas a cada ano para a Amazônia abre as portas para a ‘Paris dos Trópicos’: Manaus. Com pontos turísticos tradicionais na capital do Estado, como o Teatro Amazonas, o Encontro das Águas, a Praia da Ponta Negra, a metrópole abriga, ainda, espaços urbanos pouco explorados por viajantes.

São locais onde reina a cultura popular, que contam a história da cidade e revivem os tempos áureos da capital e do País. No Centro da capital, devido a sua vastidão cultural, é possível encontrar uma ‘aula de história ao ar livre’, fruto de uma gama de patrimônios que reconstituem a história da cidade. Cercado por casas de artes, monumentos históricos, praças e centros culturais, o Largo São Sebastião é um desses exemplos de parada obrigatória para os turistas.

Trata-se de um complexo formado pela Igreja de São Sebastião, que dá nome ao largo, pelo Teatro Amazonas e, ainda, pelo monumento de abertura aos portos. No Largo, é possível ter acesso ao ar livre a shows musicais, apresentações de teatro, concertos e até montagens operísticas, segundo a programação do órgão responsável, a Secretaria de Estado da Cultura (SEC).

A história do Largo São Sebastião teve início em 1888, construída sob a direção de Gesualdo Marchetti de Lucas. O prédio da Igreja, instalada no espaço, tem estilo neoclássico, com elementos medievalistas. O templo tem seu interior marcado por painéis e vitrais e tem apenas uma torre. A outra, segundo a história contada, estava sendo trazida da Europa para Manaus, de navio, mas a embarcação naufragou em alto-mar.

Para ver a matéria completa garanta esta edição da Revista PIM Amazônia, ou faça sua assinatura.